Segunda-feira
02 de Agosto de 2021 - 

Acompanhar Processos

Cliente, insira seu e-mail e senha para ter acesso a informações de seu Processo

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,12 5,12
EURO 6,08 6,08

Previsão do tempo

Hoje - Curitiba, PR

Máx
15ºC
Min
9ºC
Parcialmente Nublado

Terça-feira - Curitiba, PR

Máx
14ºC
Min
8ºC
Parcialmente Nublado

Quarta-feira - Curitiba, PR

Máx
16ºC
Min
9ºC
Nublado

Quinta-feira - Curitiba, PR

Máx
16ºC
Min
10ºC
Chuva

Hoje - Campo Mourão, PR

Máx
24ºC
Min
11ºC
Geada

Terça-feira - Campo Mourão, PR

Máx
24ºC
Min
12ºC
Geada

Quarta-feira - Campo Mourão, PR

Máx
23ºC
Min
15ºC
Nublado

Quinta-feira - Campo Mourão, PR

Máx
23ºC
Min
15ºC
Nublado

Hoje - Maringá, PR

Máx
23ºC
Min
12ºC
Predomínio de

Terça-feira - Maringá, PR

Máx
23ºC
Min
11ºC
Predomínio de

Quarta-feira - Maringá, PR

Máx
22ºC
Min
15ºC
Nublado

Quinta-feira - Maringá, PR

Máx
23ºC
Min
15ºC
Nublado

Notícias

Newsletter

Cadastre aqui se deseja receber informações periódicas sobre nossas atividades.

Contato

Avenida Advogado Horácio Raccanello Filho 6326 Sala 05
Novo Centro
CEP: 87020-035
Maringá / PR
+55 (44) 8805-5442+55 (44) 3029-9373

Presidente do STJ destaca importância do acolhimento e da escuta às vítimas de violência e mães de desaparecidos

​O desaparecimento de filhos e outros familiares, ou a perda em decorrência de algum tipo de violência, é um momento traumático, em especial quando praticada por agentes do Estado, e cabe também ao Judiciário amparar essas pessoas. Na manhã desta quarta (23), o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) promoveu o webinário Mães em Luta pela Justiça: A Resolução CNJ n. 253/2018 e o Papel do Poder Judiciário.O evento discutiu as mudanças trazidas pelo normativo que definiu a Política Institucional do Poder Judiciário de Atenção e Apoio às Vítimas de Crimes e Atos Infracionais. Os debates buscaram conscientizar sobre o tema, pois o amplo conhecimento das questões pela sociedade permite a criação de uma rede de proteção. Além disso, foram pulgados os serviços e programas de prevenção, atendimento e repressão.Na abertura do evento, o presidente do Superior Tribunal Justiça (STJ), ministro Humberto Martins, ressaltou a importância da reedição da Resolução CNJ 253, com a inclusão da obrigatoriedade de criação de centros de atenção às vítimas. Outra modificação, apontada pelo ministro, foi a abertura de canais de interlocução com movimentos de mães de vítimas de homicídios que aguardam resposta das autoridades. "É difícil mesurar a dor de uma mãe que tem seu filho retirado, seja pela violência ou por um desaparecimento forçado. O evento de hoje dá voz a essas mulheres, mães em luta por justiça", afirmou.O ministro destacou que há esperança de se alterar essa situação e buscar o restabelecimento da paz e da igualdade. "Esse é o Brasil que sonhamos e queremos. Devemos sempre exortar: 'Combati o bom combate, encerrei a carreira e guardei a fé!', especialmente neste difícil momento de pandemia", concluiu.Informando a sociedadeA desembargadora e conselheira do CNJ Tânia Regina da Silva Reckziegel, presidente da Comissão Permanente do CNJ de Políticas de Prevenção às Vítimas de Violências, Testemunhas e de Vulneráveis, destacou que informar a sociedade sobre situações sofridas pelas famílias das vítimas é essencial. "Isso permitirá criar redes de promoção da defesa das vítimas e familiares", comentou. Ela apontou que é essencial criar espaços de proteção para as famílias, e estabelecer valores mínimos de indenização e de proteção contra as pressões de agentes públicos ou privados.Nessa linha, a juíza do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) Adriana Ramos de Mello apresentou uma pesquisa realizada com três mães que perderam seus filhos entre 2002 e 2003. O estudo traz recomendações e propostas efetivas para mudar a situação. Dados do Judiciário indicam que só no ano passado foram mais de 80 mil registros de desaparecimento, sendo 20% de crianças. E, segundo se estima, esses números podem estar subestimados, pois não há homogeneização dos cadastros de desaparecidos, e muitos casos são ignorados. "Além disso, as investigações são morosas e há pouco suporte para as mães. O pensamento jurídico brasileiro tem poucos estudos sobre o tema", completa a magistrada.​
23/06/2021 (00:00)
Visitas no site:  1312316
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.