Sábado
18 de Janeiro de 2020 - 

Acompanhar Processos

Cliente, insira seu e-mail e senha para ter acesso a informações de seu Processo

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 4,18 4,18
EURO 4,64 4,64

Previsão do tempo

Hoje - Curitiba, PR

Máx
21ºC
Min
15ºC
Parcialmente Nublado

Domingo - Curitiba, PR

Máx
21ºC
Min
16ºC
Nublado com Possibil

Segunda-feira - Curitiba, PR

Máx
28ºC
Min
18ºC
Parcialmente Nublado

Terça-feira - Curitiba, PR

Máx
28ºC
Min
18ºC
Parcialmente Nublado

Hoje - Campo Mourão, PR

Máx
27ºC
Min
18ºC
Parcialmente Nublado

Domingo - Campo Mourão, PR

Máx
30ºC
Min
18ºC
Parcialmente Nublado

Segunda-feira - Campo Mourão, PR

Máx
31ºC
Min
20ºC
Parcialmente Nublado

Terça-feira - Campo Mourão, PR

Máx
31ºC
Min
22ºC
Poss. de Panc. de Ch

Hoje - Maringá, PR

Máx
27ºC
Min
18ºC
Parcialmente Nublado

Domingo - Maringá, PR

Máx
29ºC
Min
19ºC
Poss. de Panc. de Ch

Segunda-feira - Maringá, PR

Máx
31ºC
Min
19ºC
Parcialmente Nublado

Terça-feira - Maringá, PR

Máx
31ºC
Min
21ºC
Poss. de Panc. de Ch

Notícias

Newsletter

Cadastre aqui se deseja receber informações periódicas sobre nossas atividades.

Contato

Avenida Advogado Horácio Raccanello Filho 6326 Sala 05
Novo Centro
CEP: 87020-035
Maringá / PR
+55 (44) 8805-5442+55 (44) 3029-9373

Notícias

1ª Turma: compete à Justiça Estadual julgar crime de homicídio praticado por policial no deslocamento ao trabalho

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que a Justiça Estadual é competente para julgar crime de homicídio praticado por policial rodoviário federal em briga de trânsito no trajeto entre a residência e o trabalho. Em decisão unânime tomada na tarde desta terça-feira (10), os ministros entenderam que o fato foi um incidente privado sem conexão com a função pública e indeferiram o Habeas Corpus (HC) 157012, em que a defesa pedia que o policial respondesse no âmbito da Justiça Federal. Em 31/12/2016, o policial rodoviário federal saiu de casa em Campo Grande (MS) em veículo particular na direção da rodoviária da cidade para pegar um ônibus até Corumbá (MS), onde está localizada a delegacia em que trabalha. Noe trajeto, por volta das 5h40 da manhã, o motorista de uma caminhonete, que, segundo os autos, dirigia em alta velocidade e com sinais de embriaguez, desrespeitou a sinalização de um cruzamento e quase colidiu com o carro do policial. Após uma discussão decorrente de outra manobra inadvertida do condutor da caminhonete, o policial atirou e matou o motorista e feriu dois passageiros que também estavam no veículo. Em depoimento, ele afirmou ter agido por receio do cometimento de eventual delito contra sua integridade física e seu patrimônio (o carro). A análise do HC pela Turma foi iniciada em abril deste ano, quando o relator, ministro Marco Aurélio, votou pelo indeferimento do pedido. Segundo ele, o caso não envolve dever de ofício ou flagrante obrigatório, conforme dispõe o artigo 301 do Código de Processo Penal (CPP). O relator entendeu que a mera condição de servidor público federal não basta para atrair a competência da Justiça Federal, pois o interesse da União está relacionado às funções institucionais, e não ao acusado. Para o ministro Marco Aurélio, a competência para julgar o caso é da Justiça Estadual. Na sessão de hoje, o ministro Alexandre de Moraes apresentou voto-vista no mesmo sentido. Assim como o relator, ele entende que o policial se envolveu num acidente de trânsito sem conexão com o exercício da função. “Foi uma desavença pessoal que não tem relação com o serviço”, concluiu. No mesmo sentido, votaram os ministros Luís Roberto Barroso, Rosa Weber e Luiz Fux. Leia mais: 26/4/2019 - Pedido de vista suspende análise de HC em que policial acusado de homicídio pede julgamento na Justiça Federal  
10/12/2019 (00:00)
Visitas no site:  627815
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.