Segunda-feira
28 de Maio de 2018 - 

Acompanhar Processos

Cliente, insira seu e-mail e senha para ter acesso a informações de seu Processo

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,66 3,66
EURO 4,27 4,27

Notícias

Newsletter

Cadastre aqui se deseja receber informações periódicas sobre nossas atividades.

Contato

Avenida Advogado Horácio Raccanello Filho 6326 Sala 05
Novo Centro
CEP: 87020-035
Maringá / PR
+55 (44) 8805-5442+55 (44) 3029-9373

Negado pedido de liberdade a ex-delegada acusada de integrar organização criminosa

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou provimento ao Recurso Ordinário em Habeas Corpus (RHC) 148827, ajuizado em favor da ex-delegada Sueli Aparecida Neute, acusada de integrar organização criminosa. De acordo com os autos, em junho de 2016, o Departamento Estadual de Investigações Criminais da Polícia Civil (Deic) deflagrou operação para investigar quadrilha envolvida em esquema de venda de combustível roubado ou adulterado na região de Paulínia (SP). Segundo a denúncia, mesmo após o término da operação, a delegada e policiais civis da equipe passaram a liderar esquema de extorsão e corrupção desses investigados. A denúncia aponta que toda a negociação do pagamento de propina dependia da aprovação de Sueli, que exercia as funções de chefia dentro da organização criminosa. A defesa alegou que a prisão teria sido decretada com base em fundamentação genérica e justificada apenas na garantia da ordem pública, que já estava devidamente abarcada pelo afastamento cautelar do cargo e pedia a revogação do decreto prisional. O Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou o pedido de liberdade, requerido em habeas corpus, por entender que o decreto prisional está devidamente fundamentado na garantia da ordem pública, consistente na suposta participação da delegada em associação criminosa complexa, e também por esta exercer função de liderança no referido grupo criminoso. Ao examinar os autos do RHC, o relator, ministro Edson Fachin, afirmou que não constatou qualquer ilegalidade na decisão questionada. “O decreto da prisão preventiva calcou-se de forma satisfatória na conveniência da instrução criminal, especialmente em razão da posição de comando que a paciente desempenharia dentro da organização criminosa investigada”, disse. O ministro ressaltou que de acordo com o decreto prisional, mesmo afastados das suas funções públicas, tanto a delegada quanto os demais policiais civis presos preventivamente em decorrência da investigação ainda teriam o poder de influenciar e prejudicar a produção de provas no processo. Diante disso, para o relator, é indispensável a prisão preventiva e insuficiente a imposição de medidas cautelares alternativas.
17/05/2018 (00:00)
Visitas no site:  347624
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.