Sábado
23 de Fevereiro de 2019 - 

Acompanhar Processos

Cliente, insira seu e-mail e senha para ter acesso a informações de seu Processo

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,74 3,74
EURO 4,24 4,25

Previsão do tempo

Hoje - Curitiba, PR

Máx
30ºC
Min
19ºC
Poss. de Panc. de Ch

Domingo - Curitiba, PR

Máx
31ºC
Min
20ºC
Pancadas de Chuva a

Segunda-feira - Curitiba, PR

Máx
28ºC
Min
21ºC
Pancadas de Chuva

Terça-feira - Curitiba, PR

Máx
22ºC
Min
16ºC
Pancadas de Chuva

Hoje - Campo Mourão, PR

Máx
31ºC
Min
22ºC
Poss. de Panc. de Ch

Domingo - Campo Mourão, PR

Máx
31ºC
Min
23ºC
Pancadas de Chuva a

Segunda-feira - Campo Mourão, PR

Máx
31ºC
Min
23ºC
Pancadas de Chuva

Terça-feira - Campo Mourão, PR

Máx
26ºC
Min
21ºC
Pancadas de Chuva

Hoje - Maringá, PR

Máx
31ºC
Min
22ºC
Poss. de Panc. de Ch

Domingo - Maringá, PR

Máx
32ºC
Min
23ºC
Pancadas de Chuva a

Segunda-feira - Maringá, PR

Máx
33ºC
Min
24ºC
Pancadas de Chuva

Terça-feira - Maringá, PR

Máx
28ºC
Min
22ºC
Pancadas de Chuva

Notícias

Newsletter

Cadastre aqui se deseja receber informações periódicas sobre nossas atividades.

Contato

Avenida Advogado Horácio Raccanello Filho 6326 Sala 05
Novo Centro
CEP: 87020-035
Maringá / PR
+55 (44) 8805-5442+55 (44) 3029-9373

Ministro revoga nova prisão preventiva de ex-secretário de Estado do Paraná

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), acolheu pedido na Reclamação (RCL) 32081 e revogou nova prisão decretada pela Justiça Federal do Paraná contra o ex-secretário de Estado José Richa Filho, conhecido como Pepe Richa, irmão do ex-governador Beto Richa (PSDB). Os dois são investigados por supostas irregularidades em concessões de rodovias no estado. Na decisão, o ministro explicou que a nova custódia desrespeitou a decisão tomada por ele nos autos da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 444. De acordo com a defesa, o novo decreto de prisão cautelar contra Pepe Richa, expedido pelo juízo da 23ª Vara Federal de Curitiba, se baseou em provas compartilhadas pela Operação Rádio-Patrulha, em tramitação perante a 13ª Vara Criminal de Curitiba. A prisão decretada contra o ex-governador, seu irmão e outros investigados naquele operação foi revogada pelo ministro Gilmar Mendes por meio de habeas corpus de ofício concedido nos autos na ADPF 444. Em sua decisão, o ministro lembrou que, ao deferir habeas corpus na ADPF, determinou revogação da prisão temporária de Pepe Richa e de outros investigados e concedeu salvo conduto para afastar quaisquer prisões provisórias que viessem a ser concedidas com base nos mesmos fatos objeto da investigação presidida pelo juízo da 13ª Vara de Curitiba. E, de acordo com o relator, a decisão questionada na RCL 32081 descumpriu a ordem proferida ao decretar nova prisão com base nos mesmos elementos que fundamentaram o decreto anterior. Para o ministro, os fatos e provas são os mesmos que já foram considerados anteriormente como insuscetíveis de ensejar a prisão provisória de Richa. O ministro também afastou os argumentos usados pelo magistrado de primeiro grau para converter a prisão temporária de Pepe Richa em prisão preventiva. De acordo com Mendes, não se verifica grave e atual risco à ordem pública ou à ordem econômica e nem a necessidade de desarticular o suposto grupo criminoso. Ele assinala que Beto Richa já saiu do governo do Paraná e seu irmão não mais ocupa o cargo de secretário de Estado que teria sido utilizado para a prática dos delitos investigados. Além disso, os depoimentos de colaboradores se referem a delitos supostamente ocorridos em 2014 e 2016, o que, segundo o relator, afasta a contemporaneidade dos fatos aptas a justificar a custódia. Ainda segundo o ministro, ficou demonstrada a intenção do Ministério Público Federal de usar a prisão temporária com o intuito de forçar Pepe Richa a prestar depoimento contra a sua vontade, “utilizando o exercício do seu direito constitucional ao silêncio como elemento para solicitar a conversão da prisão temporária em preventiva, em flagrante violação ao que fora decidido na ADPF 444”. O relator também estendeu sua decisão e concedeu habeas corpus de ofício para revogar o decreto prisional contra os demais investigados no caso. Leia mais: 14/09/2018 – Ministro Gilmar Mendes revoga prisão temporária do ex-governador Beto Richa (PSDB)  
11/10/2018 (00:00)
Visitas no site:  407050
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.