Terça-feira
12 de Novembro de 2019 - 

Acompanhar Processos

Cliente, insira seu e-mail e senha para ter acesso a informações de seu Processo

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 4,14 4,14
EURO 4,56 4,56

Notícias

Newsletter

Cadastre aqui se deseja receber informações periódicas sobre nossas atividades.

Contato

Avenida Advogado Horácio Raccanello Filho 6326 Sala 05
Novo Centro
CEP: 87020-035
Maringá / PR
+55 (44) 8805-5442+55 (44) 3029-9373

Lançada cartilha para aprimorar inclusão de pessoas com deficiência nas instituições públicas

A Rede de Acessibilidade, da qual o Supremo Tribunal Federal (STF) faz parte, lançou a cartilha “Como Construir um Ambiente Acessível nas Organizações Públicas”. O lançamento ocorreu durante o 1º Encontro Nacional de Acessibilidade e Inclusão (ENAI), realizado em Brasília (DF). Reunindo a cúpula dos Poderes Judiciário e Legislativo e o Tribunal de Contas da União (TCU), a Rede de Acessibilidade promove  discussões sistemáticas relacionadas à acessibilidade e à  inclusão de pessoas com deficiência dentro das instituições.  Foi a partir das próprias dificuldades na implementação da acessibilidade dentro de cada órgão que faz parte da Rede que o material foi construído, pensado também para ser disponibilizado e utilizado por outras instituições. Ele abrange orientações sobre a implantação da acessibilidade, com base nas legislações pertinentes e tendo em vista os conceitos de acessibilidade e inclusão, bem como um instrumento de autoavaliação da acessibilidade dentro das organizações. De acordo com a assistente social Fernanda Vieira, coordenadora do Programa STF Sem Barreiras, o material é abrangente e detalhado e servirá como guia para os órgãos que pretendem iniciar a implantação da acessibilidade dentro das suas instituições ou dar seguimento às ações já iniciadas. “A cartilha não trata só da acessibilidade física, como rampas, corrimões, mas também estimula a acessibilidade tecnológica, comunicacional, de serviços e de gestão", explicou. Além da orientações para implementação da acessibilidade, o material traz anexo um instrumento de autoavaliação das iniciativas, para que os gestores possam auferir o nível de inclusão em que se encontra a organização. “O material também permite a realização da verificação do grau de acessibilidade do órgão, um diagnóstico para melhor condução das ações a serem planejadas. Essa publicação, inclusive, será um apoio às avaliações e ações no nosso tribunal”, concluiu a assistente social do STF.
14/10/2019 (00:00)
Visitas no site:  562587
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.