Quinta-feira
24 de Junho de 2021 - 

Acompanhar Processos

Cliente, insira seu e-mail e senha para ter acesso a informações de seu Processo

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 4,95 4,95
EURO 5,92 5,92

Notícias

Newsletter

Cadastre aqui se deseja receber informações periódicas sobre nossas atividades.

Contato

Avenida Advogado Horácio Raccanello Filho 6326 Sala 05
Novo Centro
CEP: 87020-035
Maringá / PR
+55 (44) 8805-5442+55 (44) 3029-9373

Família, Sucessões e Constituição: Análise dos Julgados do STF à luz da Constituição Federal é tema de palestra no Mês da Advocacia

Instalada recentemente, a Comissão Especial de Direito de Família e Sucessões (CEDFS) realizou seu primeiro evento na quarta-feira (14/08). A palestra “Família, Sucessões e Constituição: Análise dos Julgados do STF à luz da Constituição Federal” integrou a programação do Mês da Advocacia. O presidente da CEDFS, Conrado Paulino da Rosa, falou sobre a importância de trazer temas atuais e de capacitar a advocacia gaúcha: “A área do direito de família é muito dinâmica, os temas acabam ficando em descompasso com a realidade, e, nessa perspectiva, precisamos muito da interpretação jurisprudencial, justamente tema dessa palestra. O advogado de direito de família e sucessões lida com questões sensíveis, na maioria das vezes com pessoas fragilizadas, e precisa estar preparado para lidar com essas emoções, além de estar atualizado para bem defender seus clientes”, enfatizou Rosa. O palestrante da noite foi o advogado e professor Associado do Departamento de Direito Civil da Faculdade de Direito do Largo de São Francisco (USP), José Fernando Simão. O advogado abordou dois julgados específicos do Superior Tribunal Federal na área do direito de família: um sobre parentalidade e outro sobre conjugalidade. “O STF admitiu a possiblidade de multiparentalidade no Brasil somando-se o pai biológico e o pai afetivo. Na minha visão é preciso estabelecer quem é pai, e aqui queremos separar juridicamente essas categorias do pai ascendente genético e do padrasto. Na minha concepção, não houve tempo para uma reflexão suficientemente madura para essa decisão”, explicou Simão. O outro tema abordado pelo palestrante foi a decisão de o STF considerar inconstitucional o artigo 1790 do Código Civil, que tratava, ainda diferente, a união estável em relação ao cônjuge em direitos sucessórios. “Temos que nos perguntar se isso não abre precedentes para a total equiparação da união estável ao casamento em direitos sucessórios. Os princípios que o Supremo invocou para considerar o artigo inconstitucional nos levam a crer que outras diferenças do código também são inconstitucionais. Então, corremos o risco de ter um casamento forçado, o que na prática fere a preservação da autonomia privada, não dando opção de o cidadão casar ou se juntar”, avaliou Simão. Para o palestrante as iniciativas da OAB/RS, através da comissão, são valiosas para os advogados. “No direito de família, se você ler o código e depois ler as decisões, parece que estamos em outro país, a lei ficou descolada da realidade. Por isso a importância de eventos como esse, no qual os advogados vão perceber que o direito de família hoje está fora do código, e que é necessário se preparar para bem defender seus clientes. Buscar mais o que os autores escrevem, as decisões dos tribunais do que o texto frio da lei”, afirmou Simão.
16/08/2019 (00:00)
Visitas no site:  1262893
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.