Domingo
24 de Março de 2019 - 

Acompanhar Processos

Cliente, insira seu e-mail e senha para ter acesso a informações de seu Processo

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,88 3,88
EURO 4,38 4,38

Previsão do tempo

Hoje - Curitiba, PR

Máx
28ºC
Min
17ºC
Parcialmente Nublado

Segunda-feira - Curitiba, PR

Máx
29ºC
Min
17ºC
Parcialmente Nublado

Terça-feira - Curitiba, PR

Máx
27ºC
Min
18ºC
Poss. de Panc. de Ch

Quarta-feira - Curitiba, PR

Máx
27ºC
Min
17ºC
Nublado

Hoje - Campo Mourão, PR

Máx
31ºC
Min
17ºC
Parcialmente Nublado

Segunda-feira - Campo Mourão, PR

Máx
31ºC
Min
18ºC
Predomínio de

Terça-feira - Campo Mourão, PR

Máx
30ºC
Min
18ºC
Parcialmente Nublado

Quarta-feira - Campo Mourão, PR

Máx
30ºC
Min
19ºC
Poss. de Panc. de Ch

Hoje - Maringá, PR

Máx
31ºC
Min
20ºC
Parcialmente Nublado

Segunda-feira - Maringá, PR

Máx
32ºC
Min
21ºC
Predomínio de

Terça-feira - Maringá, PR

Máx
30ºC
Min
19ºC
Poss. de Panc. de Ch

Quarta-feira - Maringá, PR

Máx
30ºC
Min
19ºC
Poss. de Panc. de Ch

Notícias

Newsletter

Cadastre aqui se deseja receber informações periódicas sobre nossas atividades.

Contato

Avenida Advogado Horácio Raccanello Filho 6326 Sala 05
Novo Centro
CEP: 87020-035
Maringá / PR
+55 (44) 8805-5442+55 (44) 3029-9373

Estado não pode ser responsabilizado por acidente com caminhão que trafegava em alta velocidade

O proprietário de um caminhão que capotou enquanto trafegava em alta velocidade na BR-290, na altura do município de Eldorado do Sul (RS), teve o pedido de indenização por danos materiais e morais negado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) no início de abril. Conforme a decisão, a culpa teria sido exclusiva do motorista, funcionário do autor, não cabendo a punição da União. O condutor alegava que a capotagem teria ocorrido por que havia obras no local sem a devida sinalização. Ele afirmava que teria perdido o controle do veículo e este teria se movimentado para o acostamento, que por ter um desnível, ocasionou a capotagem. O acidente aconteceu em junho de 2010. A ação foi ajuizada contra o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit) e contra a Mac Engenharia, responsável pelas obras de reparação na rodovia. O pedido foi julgado improcedente pela 1ª Vara Federal de Santana do Livramento (RS) e o autor recorreu ao tribunal reafirmando a responsabilidade do Estado. Ele pedia R$ 80 mil por danos materiais e 100 salários mínimos por danos morais. Segundo o relator, desembargador federal Luís Alberto d’Azevedo Aurvalle, havia sinalização vertical, e a perícia constatou que o caminhão, nos últimos 300 km percorridos antes de capotar, tinha uma média de velocidade de 87 km/h, estando a 92 km/h no momento do acidente. “O fato da existência de degrau no acostamento não foi o fator determinante para a ocorrência do sinistro em pauta e sim a velocidade excessiva do condutor do caminhão", concluiu Aurvalle. Para o desembargador, se o motorista estivesse dirigindo na velocidade permitida, o acidente não teria ocorrido, não havendo nexo causal entre as condições da rodovia e a capotagem, condição necessária para a responsabilização dos réus.
16/04/2018 (00:00)
Visitas no site:  414310
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.