Sexta-feira
21 de Setembro de 2018 - 

Acompanhar Processos

Cliente, insira seu e-mail e senha para ter acesso a informações de seu Processo

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 4,13 4,14
EURO 4,83 4,83

Notícias

Newsletter

Cadastre aqui se deseja receber informações periódicas sobre nossas atividades.

Contato

Avenida Advogado Horácio Raccanello Filho 6326 Sala 05
Novo Centro
CEP: 87020-035
Maringá / PR
+55 (44) 8805-5442+55 (44) 3029-9373

Cadastro positivo deve gerar expansão de crédito às empresas

O novo modelo para o cadastro positivo pode gerar uma expansão do crédito às empresas de todos os portes da ordem de R$ 790 bilhões, ou 12% do Produto Interno Bruto (PIB). A estimativa é da Associação Nacional dos Bureaus de Crédito (ANBC), que reúne Serasa Experian e Boa Vista. Ainda de acordo com estudo feito pela instituição, a principal fatia desse volume, no valor de R$ 550 bilhões, caberá às micro e pequenas empresas. O texto base do projeto que muda o cadastro positivo com inclusão de todos os consumidores (modelo opt-out) já foi aprovado na semana passada pela Câmara dos Deputados. Encerrado o trâmite na Câmara, o texto volta ao Senado, onde passa por nova votação antes de ir a sanção presidencial. Até entrar em vigor o governo ainda terá de regulamentar pontos específicos da medida. Em nota, o presidente ANBC, Elias Sfeir, explica que do ponto de vista do consumidor o novo modelo para o cadastro positivo revela sua importância pela inserção de 22 milhões de pessoas hoje excluídas desse mercado e pela forte redução da inadimplência, que atinge atualmente 60 milhões de brasileiros. Do ponto de vista das empresas, o cadastro promove um estímulo aos negócios em geral e, principalmente, às atividades das micro e pequenas empresas, que terão mais disponibilidade de crédito e a custo mais baixo. “A aprovação desse novo modelo, que está em votação no Congresso Nacional, trará uma forma mais abrangente e inclusiva de conceder crédito, tendo como base o histórico de enpidamento de um cidadão ou empresa e a forma como paga suas dívidas com instituições financeiras, empresas de comércio e de serviços como água, gás, energia elétrica e telefonia”, observa Sfeir, também em nota. O estudo da ANBC foi realizado junto a empresas dos persos Estados brasileiros e mostrou que a média de aprovação de crédito, que é de 46,3% sem o cadastro positivo, sobe para 66,7% com ele. Um aumento de 20,4%. O trabalho constatou, ainda, que o número de micro e pequenas empresas com acesso ao crédito, que é de 9,2 milhões, aumenta para 13,2 milhões com o novo cadastro positivo, um acréscimo de mais de 4 milhões de empresas, ou 44%. A ANBC também argumenta que o sigilo bancário, ponto controverso das discussões na Câmara, segue a regulação existente e é garantido, pois apenas a nota de crédito, o chamado score estará disponível para consultas e compartilhamento. Além disso, é o consumidor quem autoriza a abertura de suas informações ao credor. A associação também lembra que somente os bureaus de crédito autorizados pelo Banco Central receberão informações de instituições financeiras e prestadores de serviços (como água, luz, gás e telefone), que serão utilizadas exclusivamente para avaliação de crédito. A pessoa física ou jurídica que não quiser fazer parte do cadastro poderá pedir sua exclusão a qualquer momento.
16/05/2018 (00:00)
Visitas no site:  375978
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.