Quinta-feira
27 de Junho de 2019 - 

Acompanhar Processos

Cliente, insira seu e-mail e senha para ter acesso a informações de seu Processo

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,83 3,83
EURO 4,36 4,36

Notícias

Newsletter

Cadastre aqui se deseja receber informações periódicas sobre nossas atividades.

Contato

Avenida Advogado Horácio Raccanello Filho 6326 Sala 05
Novo Centro
CEP: 87020-035
Maringá / PR
+55 (44) 8805-5442+55 (44) 3029-9373

Audiência debate combate à violência e garantia de direitos para comunidade LGBTI

Uma audiência pública realizada na noite desta terça-feira (21) no Plenarinho da Assembleia Legislativa do Paraná (ALEP) chamou a atenção para violência que atinge a comunidade LGBTI. O Brasil é campeão em agressões e mortes no mundo. De acordo com dados do Grupo Dignidade, 46% dos assassinatos contra homossexuais, transexuais e transgêneros ocorrem no Brasil. A cada 19 horas, uma pessoa é morta no País. A audiência “Dia Internacional de Enfrentamento à Lgbtifobia”, realizada por uma proposição da Comissão de Direitos Humanos e Cidadania da Assembleia, presidida pelo deputado Tadeu Veneri (PT), em parceria com os deputados Goura (PDT) e deputado Delegado Recalcatti (PSD), promoveu uma discussão sobre o Dia Internacional contra a LGBTfobia, celebrado anualmente no dia 17 de maio.A data foi escolhida como o “Dia Internacional de Enfrentamento à Lgbtifobia” por que em 1990 o termo “homossexualismo” deixou de figurar na lista de doenças da Organização Mundial de Saúde (OMS). De acordo com dados do Grupo Gay da Bahia, entre os anos de 2014 e 2018 foram registrados 1.856 assassinatos de LGBTs no País. Destas, 80 ocorrências foram no Paraná. Estima-se ainda que perspectiva de vida de transexuais chega a 35 anos, metade do que é estimado pelo IBGE para o brasileiro.“O nosso objetivo é conscientizar a população sobre a discriminação contra homossexuais, transexuais e transgêneros no Paraná e no Brasil. Este debate não pode ser encoberto pelo preconceito”, disse Goura. “Hoje é um dia para promover a reflexão. Temos de trabalhar em políticas públicas que buscam o respeito”, afirmou Tadeu Veneri.Proteção – Participaram da audiência o deputado Professor Lemos (PT), o assessor da Superintendência Geral de Diálogo e Interação Social do Estado, Ender Love, o representante do Núcleo LGBT do CAOP de Proteção aos Direitos Humanos do Ministério Público do Paraná (MP-PR), Rafael Osvaldo Machado Moura, a representante do Grupo Dignidade, Raffaelly Wiest, a vereadora de Curitiba, Maria Leticia Fagundes (PV), e a coordenadora de Políticas para população LGBT da Secretaria de Justiça, Trabalho e Direitos Humanos, Ana Raggio.Para Raffaelly Wiest, a audiência é importante para celebrar a data histórica de 17 de maio e lutar pela criminalização da homofobia no Paraná. “A Assembleia tem de se comprometer com isso. Viemos pedir que a Casa reconheça a LGBTIfobia e torne o preconceito crime”, apontou. O promotor Rafael Moura reafirmou o compromisso do Ministério Público com a causa. “Em dezembro do ano passado, o MP fez uma pesquisa com adolescentes do ensino médio. Na pesquisa, 56% dos entrevistados disseram que já presenciaram violência verbal contra a população LGBTI; 25% afirmaram presenciar violência física. A violência é sistemática. Diante deste estado, o MP vai agir e ampliar suas ações”, completou.   
21/05/2019 (00:00)
Visitas no site:  457608
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.